PROGRAMA
“OLHO VIVO NA ESTRADA”
A PREVENÇÃO DE COMPORTAMENTOS INSEGUROS NAS ESTRADAS

Apresentação

O programa “Olho vivo na estrada”, instituído pela Abiquim em parceria com a Abiclor, tem como objetivo prevenir atitudes inseguras no transporte de produtos perigosos por meio da conscientização dos motoristas. O “Olho vivo na estrada” é parte de um sistema de gerenciamento de riscos. A meta do programa é a redução a zero no número de acidentes nas estradas com produtos químicos.
O conceito básico do programa é de que, antes de um grande acidente, ocorreram várias pequenas falhas nos equipamentos ou nas operações de transporte que não foram comunicadas à empresa. O “Olho Vivo na Estrada” incentiva o motorista a relatar essas ocorrências, possibilitando a adoção de ações preventivas ou corretivas. O programa tem como base modelo desenvolvido e aplicado pela Dow Brasil. Um projeto piloto implementado pela empresa reduziu os acidentes classificados como sérios de cinco, em 2001, para zero ao final de 2004.
O programa “Olho vivo na estrada” tem o apoio da Associquim – Associação Brasileira do Comércio de Produtos Químicos, da NTC – Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística, da ABTLP – Associação Brasileira do Transporte e Logística de Produtos Perigosos, da Fetcesp – Federação dos Transportadores de Carga do Estado de São Paulo e do Setcesp – Sindicato das Empresas de Transporte de Carga do Estado de São Paulo. O treinamento dos motoristas profissionais é ministrado pelo Sest/Senat.
 

O Gerenciamento de Risco no Transporte Rodoviário

Durante o século XX, o mundo foi marcado por diversos acidentes de grande impacto envolvendo indústrias, processos de fabricação, manuseio e distribuição. Esses acidentes resultaram na eliminação de negócios e na reestruturação de empresas.

Um único acidente com produto químico pode gerar a perda de vidas e causar um forte impacto sobre o meio ambiente, exigindo décadas para a sua recuperação.

O grande desafio do século XXI consiste em definir como as organizações industriais irão garantir a sustentatibilidade de seus negócios. Um sistema de gerenciamento de riscos que leve as organizações a uma condição ideal próxima ao “nível zero em acidentes”, inclusive na distribuição, é elemento essencial da resposta a esse desafio.

Em linhas gerais, os acidentes no transporte rodoviário podem ter diferentes causas, singulares ou combinadas, tais como :

•  Problemas tecnológicos, como unidades de transporte sem manutenção adequada ou muito velhos;

•  Problemas de infra-estrutura, tais como rodovias mal sinalizadas, mal conservadas ou com falhas estruturais de pavimentação;

•  Problemas com procedimentos e regulamentações, como aplicação inadequada das legislações e dos procedimentos de gestão;

•  Problemas de falhas humanas, como comportamentos inadequados levando a riscos desnecessários por diferentes motivos, incluindo a falta de treinamento ou falta de profissionalismo etc.

O comportamento humano passa a ser o item mais crítico para a diminuição de riscos de acidentes, o que exige sistemas de análise sobre como os funcionários desempenham suas tarefas.

O programa “ Olho Vivo na Estrada ” é parte de um sistema de gerenciamento de risco para a redução de acidentes, com foco no comportamento humano.

A velocidade de resposta em relação a resultados positivos é maior quando as empresas apresentam, no mínimo, a etapa de implementação de melhorias tecnológicas e de procedimentos passíveis de avaliações de auditorias, como o SASSMAQ no Brasil.

A melhoria contínua do programa e seu sucesso estão na comunicação aberta entre todos os envolvidos no transporte rodoviário, como produtores, transportadores e clientes. Mas, acima de tudo, o fundamental é Saber ouvir aquele que é o embaixador do produto químico : O MOTORISTA OLHO VIVO NA ESTRADA.

 

O Nível Zero de Acidente
O sistema de gerenciamento de risco apresentado indica que acidentes são reduzidos com a implementação de tecnologias mais avançadas, seguido, então, da implementação de leis e procedimentos. Mesmo com procedimentos corretos e um sistema de gerenciamento de segurança excelente, os índices de acidentes tendem a ficar os mesmos, a menos que o homem mude seu comportamento.

O sistema de gerenciamento de risco inclui o programa " Olho Vivo na Estrada ” que considera o “homem e sua atitude”, mostrando uma metodologia de conscientização dos motoristas quanto aos riscos do transporte e como isto afeta o comportamento do dia-a-dia e os resultados dos acidentes.

Define-se acidente no transporte rodoviário como o evento não planejado que ocorre durante a movimentação rodoviária de um produto, classificado ou não como perigoso, embalado ou a granel, e que ocasione perdas materiais ou pessoais e ou danos ao meio ambiente e, consequentemente, à imagem do produto ou da indústria.

Esses acidentes podem ser divididos em acidentes menores, quase acidentes ou acidentes sérios. (Ref.: Indicadores e Definição de acidentes: www.abiquim.org.br )

O programa “Olho Vivo na Estrada”: um modelo de melhoria contínua em comportamento na rodovia visa previnir atitudes inseguras e atingir o nível zero em acidentes sérios.

 O princípio do iceberg, apresentado na figura a seguir, mostra que acidentes sérios são na verdade uma evolução de acidentes menores no tempo ou mesmo a junção de vários acidentes menores. A análise de um acidente sério, em geral, revela uma série de incidentes menores, não corrigidos devidamente. Portanto, a eliminação dos riscos de acidentes sérios exige a investigação, correção e implementação de ações preventivas para os acidentes pequenos. Ao ser eliminada a ocorrência de acidentes pequenos, a probabilidade de ocorrência de acidentes sérios é bastante reduzida.

Como viabilizá-lo na prática?

Ocorrem entre 50 a 100 acidentes menores para cada acidente sério. O segredo é manter a atenção sobre esses acidentes menores. Considerá-los importantes, mesmo que suas conseqüências sejam menores, é o segredo da prevenção.

É aí que entra o conceito do “BBP”: “ Behavior Based Program” ou “Programa Olho Vivo na Estrada”.

O princípio do iceberg

Avaliações de acidentes ocorridos na indústria mostram que 90% ocorrem devido a falhas humanas, por motivos os mais variados, mas que no fundo envolvem um problema comportamental.

 

Etapa I: Análise dos Acidentes Ocorridos

(Responsabilidade: Indústria e/ou Transportadora)

1. Definir a equipe que irá avaliar os acidentes
2. Identificar todos os acidentes
3. Avaliar causas “reais” em conjunto com a transportadora
4. Classificaros acidentes em sérios ou pequenos/quase acidentes
5. Elaborar o g ráfico iceberg ( número de sérios e de menores)
6. Análisaro gráfico iceberg: acidentes menores estão sendo reportados e investigados?
7. Estabelecer os planos de ação:

Etapa II: Conscientização da Gerência da Transportadora

(Responsabilidade: Indústria)

1. Nomear o coordenador do Programa dentro da indústria
2. Reunir-se com a Gerência das Transportadoras:

3. Definir? Responsabilidades:

4. Elaborar? o cronograma de implantação do Programa
A indústria deve sempre designar uma pessoa ou representante que será o canal de comunicação para reportar situações inseguras ou estabelecer o escalonamento quando necessário

Etapa III: Treinamento dos Motoristas no SEST/SENAT

(Responsabilidade: Transportadora)

1. Enviar os motoristas ao SEST/SENAT para treinamento.

2. Nível gerencial da Transportadora deve participar deste treinamento.

3. Objetivos do treinamento no SEST/SENAT:

4. Recomendada a reciclagem a cada dois anos 

Etapa IV: Implementação na Transportadora

A - Coleta e observação dos comportamentos críticos que ocorrem na estrada nas viagens diárias

Responsabilidade: Transportadora

1. Comportamentos críticos definidos

2. Formulário de coleta de observações

B - Melhoria de comportamento: avaliação das observações e acidentes menores e elaboração de planos de ação

Responsabilidade: Transportadora

  1. Consolidar os resultados e apresentá-los à indústria periodicamente
  2. Selecionar cinco comportamentos críticos mais freqüentes
  3. Avaliar os resultados e definir a implementação de planos de ação de melhorias

Esta análise é muito particular de cada empresa, pois depende de sua política organizacional e gerencial

Etapa V: Monitoração e Avaliação da Melhoria de Performance: realimentação do programa

Responsabilidade: Indústria e Transportadora

1. Indústria monitora a implementação

2. Realiza reuniões periódicas :

Conclusão

O programa Atuação Responsável no Brasil é um compromisso das indústrias químicas associadas à Abiquim e representa uma ética de negócios com o objetivo de e levar o respeito e a confiança do público na indústria química, por meio de um processo de melhoria contínua em saúde, segurança, meio ambiente e sustentabilidade empresarial.

O programa “Olho Vivo na Estrada” é parte do trabalho realizado pela indústria química visando a melhoria contínua em todas as etapas da cadeia produtiva. Sem o comprometimento do motorista, sem a mudança cultural no dia-a-dia, dificilmente a empresa obterá sucesso na diminuição efetiva de acidentes.

É essencial o respeito ao desempenho e ao valor dos motoristas que transportam produtos químicos. A preservação da imagem do produto químico também depende do profissionalismo dos motoristas.

Sucesso de comprometimento:

O programa “Olho Vivo na Estrada” foi desenvolvido e adaptado às condições brasileiras por transportadoras e motoristas.

Foram os motoristas que escolheram o nome do programa e um dos participantes criou o logotipo do “Olho Vivo na Estrada”.

Várias transportadoras que aderiram ao programa já conseguiram atingir a meta zero de acidentes sérios. O desafio agora é fazer com que essa meta seja alcançada e mantida por um número crescente de transportadoras.

A monitoração e a avaliação da melhoria de desempenho é fundamental para que esses objetivos sejam atingidos pela indústria e pelas transportadoras.